Histórico

Nascida da necessidade de reunir em um órgão de classe os profissionais ativos do campo da interpretação simultânea e consecutiva, a APIC – Associação Paulista de Intérpretes de Conferência – foi criada em julho de 1971 por oito intérpretes de São Paulo, seguindo os moldes da AIIC – Associação Internacional dos Intérpretes de Conferência – com sede em Genebra.

Ao longo dos anos, a APIC cresceu, passou a se chamar Associação Profissional de Intérpretes de Conferência, e se tornou referência nacional no setor, aumentando o número de membros efetivos e correspondentes dentro e fora do Brasil, passando a se chamar Associação Profissional de Intérpretes de Conferência.

Sempre dedicada ao esforço de manter no mais alto nível a qualificação técnica e o desempenho profissional de seus membros, a Associação conta com membros nas principais praças do país – São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Santa Catarina – além de membros correspondentes em países como Alemanha, Argentina, Barbados, Bélgica, Bolívia, Canadá, Chile, Estados Unidos, Marrocos, Porto Rico e Suíça.

Desde o ano 2000, com o significativo crescimento econômico do Brasil, foi notável verificar a expansão da Associação, não só pelo aumento do número de membros – hoje são mais de 170 profissionais, mas principalmente pelas novas oportunidades do mercado de trabalho.

Atuando num cenário positivo para o desenvolvimento do trabalho do intérprete de conferências em suas várias áreas de atuação e modalidade , a APIC se consolida, cada vez mais, como um órgão sério e representativo dos intérpretes profissionais no Brasil.

 

Membros fundadores:
  • Cecília Assumpção
  • E. Ingrid Orglmeister
  • Geneviève Pelisson
  • Jacqueline L. Branco
  • Nikolaus Karwinsky
  • Renata Hammoud
  • Suzana Mizne
  • Ursula (Ulla) Schneider