Existem diferentes tecnologias de tradução simultânea? Quais são?

Hoje temos basicamente duas tecnologias disponíveis:  Infravermelho ou FM (Modulação de Frequência ou Frequência Modulada) e ambos possuem suas vantagens e desvantagens.

O infravermelho é considerado mais seguro na garantia de confidencialidade porque suas ondas não atravessam estruturas sólidas como paredes e portas,  e apenas aqueles que estão dentro daquela  sala de reuniões ou de conferência têm acesso ao conteúdo que está sendo apresentado.  Se o evento estiver sendo realizado em mais de uma sala simultaneamente, também não há risco de o sistema captar o áudio das demais. A outra vantagem é que este sistema não sofre a interferência de ondas de rádio.

Os sistemas de infravermelho estão disponíveis tanto no modo analógico (com até quatro canais) quanto no digital (com até 32 canais). O sistema analógico pode sofrer interferência da luz solar incidindo diretamente sobre o equipamento e também de fontes de luz incandescente e fluorescente.

O sistema com modulação de frequência (FM) é o mais usado no Brasil e em outros países, sendo que a maioria das tecnologias opera em banda estreita (de 72.1 a 79 MHZ).  A vantagem desta tecnologia é sua alta disseminação, facilidade de instalação, capacidade de transmitir através de estruturas sólidas (quando se deseja que o público fora da sala de reuniões ou da conferência tenha acesso ao conteúdo). Esta é a tecnologia usada nos sistemas portáteis de interpretação simultânea. A desvantagem é que este sistema sofre a interferência de rádio, podendo captar o sinal que esteja mais potente ao seu alcance.

Até o momento temos apenas um sistema que opera na frequência de 2,4 GHz, com um sofisticado sistema de codificação que permite restringir o acesso às informações do evento e evita a interferência de outros aparelhos operando na mesma faixa de frequência.

Quando o mini-equipo portátil de tradução simultânea é indicado?

O mini-equipo, solução portátil de tradução simultânea que dispensa cabines e cabos, é uma ótima opção para eventos curtos, com poucos ouvintes ou que exigem deslocamento dos palestrantes e dos ouvintes.

Desta forma, ganha-se em agilidade ao dispensar a interpretação consecutiva. No entanto, é importante mencionar que a solução completa, com cabine e equipamentos fixos, sempre oferece mais conforto para os intérpretes e para o público e é preferível em eventos com muitas horas de duração.

Como projetar uma cabine fixa de tradução simultânea?

A cabine fixa de tradução simultânea deve ser projetada de maneira a atender quatro principais requisitos:

  1. oferecer isolamento acústico entre os diferentes idiomas falados simultaneamente, sem que haja interferência entre os idiomas de trabalho ou com o original
  2. propiciar uma comunicação eficiente entre a(s) cabine(s) e o público
  3. permitir que os intérpretes consigam visualizar o orador e a apresentação sem obstáculos em seus campos visuais.
  4. criar um ambiente confortável de trabalho para que os intérpretes possam manter a concentração necessária para exercer seu trabalho.

A norma ISO 2603 de 1998, revisada em 2009, apresenta as especificações para se projetar uma cabine fixa de interpretação e atender os requisitos acima citados. Clique no link abaixo para ter acesso à norma completa, mas lembre-se de solicitar nosso suporte. O GT Técnico da APIC está à disposição para discutir projetos de novas cabines ou reformas de suas instalações.